A morte de Serginho

morte-serginho

O cronômetro marcava treze minutos e cinquenta segundos do segundo tempo, e o São Paulo empatava sem gols com o São Caetano, em duelo entre o terceiro e o quarto colocados naquele Campeonato Brasileiro de 2004: apenas a vitória interessava aos dois, para manter a caçada ao Atlético Paranaense e ao Santos, respectivamente quatro e três pontos à frente dos times que duelavam no Morumbi, a oito rodadas do fim. A briga pela primeira posição, entretanto, ficaria em um distante segundo plano logo em seguida. Grafite tinha acabado de participar de mais um ataque são-paulino que não dera em nada e… [Continuar a ler]

O jogo mais melancólico da história do São Paulo

sao-paulo-vitoria-1994-destaque

Alemão levantou a cabeça e não viu ninguém. Quer dizer, ele viu, porque Pavão estava pronto para ser lançado na ponta direita. Mas ele não viu ninguém nas arquibancadas, e isso não é metáfora: ninguém estava nas arquibancadas do Morumbi. Nos andares de baixo, um total de 353 pessoas tinha pagado ingresso para estar lá, o menor público até então naquele Campeonato Brasileiro de 1994 — três meses depois, Vasco e Paraná Clube jogariam diante de 71 pagantes em São Januário. Assim como Alemão ignorou esse fato, Pavão também o fez e cruzou a bola na medida para Caio, de… [Continuar a ler]

A última vitória de José Poy

ultima-vitoria-poy-destaque

Quem entrasse no vestiário são-paulino após o jogo de 30 de abril de 1983 imaginaria que os jogadores estavam comemorando um título. Mesmo apinhado de torcedores que festejavam, os dirigentes anunciavam um prêmio extra, além do que seria normalmente pago pela vitória sobre o Sport. É que essa vitória garantiu a classificação do São Paulo às quartas de final do Campeonato Brasileiro daquele ano, e a diferença de dois gols garantiu a primeira posição no grupo e consequente vantagem na fase seguinte. A vitória rendeu as jogadores o valor normal, 110 mil cruzeiros, mas a classificação valeu outros quatrocentos mil… [Continuar a ler]

Assis (1952–2014)

assis-spfc-destaque

Morreu na manhã de hoje o ex-jogador Assis, famoso pela dupla que fez com o centroavante Washington no Atlético Paranaense e no Fluminense, nos anos 1980. Muitos não sabem que ele teve uma curta passagem pelo São Paulo. Assis não era muito jovem quando se destacou no Campeonato Paulista de 1979, marcando onze gols pela Francana, tanto é que estava prestes a completar 27 anos quando a sep manifestou interesse em sua contratação, no segundo semestre daquele ano. Em dezembro, um jornal publicou a informação de que a sep teria contratado o jogador por dois milhões de cruzeiros, mas a informação… [Continuar a ler]

A despedida de Béla Guttmann

bela-guttmann-destaque

Em 23 de setembro de 1956, um amistoso entre as seleções soviética e húngara, em Moscou, foi vencido pelos visitantes por 1 a 0, com gol de Zoltán Czibor, quebrando a invencibilidade da União Soviética em casa. 1956 foi um ano turbulento politicamente na Hungria, e essa partida é considerada como um dos motivos que levaram a uma onda de fervor patriótico na Hungria ao longo do mês seguinte, resultando em uma revolta estudantil em Budapeste, exatamente trinta dias depois. Durante essa revolta, um estudante foi morto em conflito com a Autoridade de Proteção do Estado (Államvédelmi Hatóság ou simplesmente… [Continuar a ler]

Espetacular vitória sobre o Peñarol no Uruguai

foste-grande-spfc-destaque

A manchete que o Diário da Noite trouxe na página 11 de sua edição de 30 de janeiro de 1963 deixa poucas dúvidas a respeito da vitória são-paulina sobre o Peñarol, do Uruguai: “São Paulo F.C. espetacular: 5×3”. Já no “olho” (os subtítulos), a frase “A mais expressiva vitória de um quadro brasileiro, este ano, por gramados da América do Sul” não vale grande coisa, pois o primeiro mês daquele ainda nem tinha sido completado. Mas é só analisar melhor a situação, que se percebe que não foi qualquer vitória. Fazia pouco mais de um ano que o time uruguaio… [Continuar a ler]

A passagem de Evair pelo São Paulo

Evair no São Paulo

Poucos lembram-se do atacante Evair pela sua passagem pelo São Paulo, já em fim de carreira. Ele é mais lembrado como vice-campeão e vice-artilheiro do Campeonato Brasileiro de 1986, aquele que terminou com nosso segundo título nacional. E muito mais lembrado pelas suas passagens pelo Palmeiras, deixando sua imagem quase umbilicalmente ligada ao clube, por ter feito parte do time que os tirou de um jejum de títulos de quase dezessete anos, em 1993. E foi justamente de lá que ele veio para o São Paulo, após sua segunda passagem pelo clube. Mas a saída não foi tão indolor quanto… [Continuar a ler]

São Paulo no tapetão contra a Portuguesa

destaque-morgado-portuguesa-america-sjrp

Possivelmente, esta não foi a única vez que o São Paulo entrou no chamado “tapetão” para fazer valer algo que acreditava ser seu direito, mas foi neste caso que pensei quando me perguntaram se o São Paulo já fez algo parecido com o que o Fluminense está fazendo agora. O caso, obviamente tem suas diferenças, mas a natureza era a mesma. Corria o Campeonato Paulista de 1975. O São Paulo sobrou no primeiro turno e levou-o com facilidade. No segundo turno, também disparou à frente dos demais, mas isso pouco adiantou, já que o turno teria uma fase decisiva, disputada… [Continuar a ler]

Epopeia em Santa Catarina para ver o São Paulo

epopeia-santa-catarina-ver-spfc

Atenção. Este é um texto longo que fala um pouco (bem pouco) sobre futebol e um pouco (bem pouco) sobre turismo. É um “causo”. Se você pretende ler sobre a partida entre Criciúma e São Paulo, no Estádio Heriberto Hülse, em 1 de dezembro de 2013, esta não é, nem de longe, a melhor recapitulação. Fui a Criciúma com dois amigos, Michel e Rafael, no último domingo, para a partida do São Paulo contra o time local. Ela já não valia nada para nós, embora, quando compramos as passagens, houvesse perspectivas de o clube estar brigando contra o rebaixamento ou… [Continuar a ler]

A despedida de Pablo Forlán

despedida-pablo-forlan-destaque

A participação de Pablo Forlán na campanha são-paulina no Paulistão de 1975 ajuda a explicar o fim da vitoriosa jornada do lateral-direito no Morumbi. A campanha tricolor começou em 2 de março, mas Nélson (que mais tarde seria conhecido como técnico Nelsinho Baptista) já era o dono da lateral direita, depois de mais de três anos na reserva do uruguaio. Forlán só foi entrar em campo dezessete dias depois, na quinta partida do time, contra o Marília, no Pacaembu. Ele entrou aos 25 minutos do segundo tempo, para substituir o lateral-esquerdo Gilberto Sorriso, que tinha sofrido uma distensão muscular, e… [Continuar a ler]

RSS

Assine o RSS aqui.

Engenhoca

Este site usa o mecanismo de publicação Wordpress.

Busca

Direitos
Todos os textos publicados aqui são liberados em Creative Commons, sob a licença Attribution 3.0 Unported. Isso significa que podem ser usados em qualquer projeto, comercial ou não, desde que sejam creditados como "Alexandre Giesbrecht/Jogos do Sao Paulo.com.br". Um link para cá é bem-vindo, assim como um aviso de que o material foi usado. Conheça também meu blog.